Professores incompetentes e monopólio

Há um tempo eu comentei sobre os desafios de ser professor. Agora, lendo no blog do Seb sobre a possibilidade de ter boas aulas via internet, lembrei sobre outro desafio para o professor.

Quando eu ensinava microeconomia para administradores, tinha de me ater ao programa e não tinha muita oportunidade para discutir temas que julgava mais importante. Além disso, ficava preocupado em não repassar meus valores pessoas (morais e políticos) no conteúdo que ensinava.

Alguns amigos meus, pelo que me falaram, não ligavam muito pra isso e em suas aulas expressam suas convicções políticas e procuram influenciar os alunos. Isso nunca me pareceu muito bom e não me sinto à vontade em usar os poderes atribuídos a mim pela estrutura escolar para influenciar as outras pessoas.

Mas, devo confessar, havia uma aula em que eu deixava isso um pouco de lado. Era a aula sobre monopólio. Como a teoria que eu tinha que ensinar era crítica dos monopólios (causa ineficiência), eu me esbaldava em criticar toda sorte de monopólios. E dizia sempre que se os alunos tinham que aprender alguma coisa no meu curso é que os monopólios eram ruins (exceto para o monopolista ). Cheguei inclusive a comentar que  eu, na condição de professor de microeconomia, exercia um monopólio já que eles não tinham outra alternativa. E que, se eles tinham aprendido algo no meu curso, isso significava que eu não dava uma aula tão boa quanto daria se houvesse concorrência.

Lembrei de tudo isso quando li o post do Seb sobre um professor super bom que tem vídeos no youtube. Minha primeira reação ao fato de que os alunos poderão escolher quem são os melhores professores pela internet foi de criticar essa possibilidade. O conhecimento é um “bem” caracterizado pela assimetria da informação (que não tem esse bem não sabe avaliá-lo quanto ele vale). E, portanto, alunos não sabem escolher o que é melhor pra eles.

Mas aí, fiquei pensando que essa argumentação é típica de monopolista que quer justificar seu monopólio. O seu caso é especial, blá blá blá. Do mesmo modo que os monopolsitas detentores de patente também dizem que seu caso é especial e por isso merecem um monopólio.

Então, que venha a concorrência e o fim do monopólio dos professores.

Sobre Manoel Galdino

Corinthiano, Bayesiano e Doutor em ciência Política pela USP.
Esse post foi publicado em Política e Economia e marcado , , . Guardar link permanente.

2 respostas para Professores incompetentes e monopólio

  1. Seb disse:

    Obrigado pelo link e pensamentos! (Google-translated🙂

    For courses with mathematical problems that have a definite answer, it is easy for a student to know whether a prof is teaching well or not. If he isn’t, you have trouble solving the problems.

    For other kinds of courses it can indeed be more difficult.

  2. I found your site due to a link of Michael Nielsen.
    Thanks for your comment. I always thought that the audience of my blog would be limited because of the language. But it is a good surprise to see that people around there may use translators to read my blog. Very nice!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s