Gráficos – O Viral do PT

O Celso do NPTO divulgou um infográfico feito por um tal de @ilustrebob.Ei-lo abaixo.

1.
2.

3. Veja o panfleto num tamanho maior!
4. Via @IlustreBOB

Eu sei que ninguém tá muito interessado nesse momento nos problemas dos gráficos, e sim nas eleições. Mas como no Brasil ninguém critica muito os gráficos horríveis que tem por aí, e agora esse gráfico deve circular por aí (O idelber chamou-o de “belo gráfico”), eis meus comentários sobre o gráfico (não sobre o conteúdo, nem sobre o mérito de fazer essa comparação etc.).

Como comentei no blog do Celso, o gráfico é bom por ser catch-eye, isto é, chamar a atenão do leitor, as cores terem sido bem escolhidas, bem como as ilustrações (FHC dormindo, triplo combo etc.). Foram engraçadas e inteligentes. Mas algumas escolhas foram ruins.

1. O gráfico de Miséria no Brasil, PIB per capita e desflorestamento colocam o eixo y começando não no zero, mas em outro ponto, distorcendo assim a comparação. Fica parecendo que o desflorestamento e miséria foi a zero e que o PIB per capita mais do que dobrou no período. Erro comum, mas que exagera os alcances do governo Lula.

2. A escolha de imagens 3D para PIB per capita e Deflorestamento. O gráfico ilustra muito bem o que não se deve fazer nunca. Colocar duas dimensões em 3 dimensões. Não há ganho nenhum e ainda complica a informação. Afinal, qual o valor certo, o que está em primeiro plano ou em segundo plano? Note que aparentemente são números diferentes em primeiro plano e segundo plano. Tudo isso porque o lho humano não lida bem com 3D. Muito melhor seria em 2D.

3. Sempre, sempre devemos colocar as unidades de medida. Ainda que para comparar os governos esse problema seja menor (já que a unidade é a mesma), ainda assim, porque não informar ao leitor qual a unidade de medida?

4. Se o objetivo é comparar os dois governos, qual a melhor estratégia de comparação? Um gráfico como o de geração de empregos (total acumulado em 8 anos com FHC e em 8 anos com Lula) ou ver a evolução no tempo (como o gráfico da Miséria)? No caso do desmatamento, o que é mais importante: a tendência de queda? O fato de ter subido e deposi caído? O nível final? Ou o desmatamento acumulado no período? A depender da resposta, um tipo de gráfico é mais apropriado que outro.
Em geral, em série temporal a escolha é sempre para os utilizados no PIB e tal, mas é curioso que para geração de empregos ele não tenha feito essa escolha. É como se a tyaxa de variação não fosse importante, mas tão somente o total. O fato de esconder a tendência recente (que provavelmente foi de redução no emprego criado) diz alguma coisa sobre o gráfico escolhido.

De todo modo, apesar desses problemas, acho que os gráficos são melhores que as médias, que tabelas e outras coisas que saem por aí (como o gráfico de pizza do UOL, que comentei aqui).

ps.: Eu acho que os números de renda per capita estão errados. Se temos 200 milhões de pessoas e o PIB é por volta de 2 trilhões de reais, então isso dá 10.000 de renda per capita.

Sobre Manoel Galdino

Corinthiano, Bayesiano e Doutor em ciência Política pela USP.
Esse post foi publicado em estatística, Manoel Galdino, Política e Economia e marcado , , , . Guardar link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s