Discurso de derrota do Serra – análise

Queria analisar o discurso do Serra de aceitação da derrota nas eleições (que pode ser lido aqui), mas não sabia muito bem por onde começar. Então decidi fazer o que aprendi no meu doutorado. Os eventos políticos devem ser olhados em perspectiva comparada. Então, cacei o discurso do McCain quando da derrota pro Obama para fazer a comparação.

Ambos começaram o discurso igualmente.

Serra:

“No dia de hoje, os eleitores falaram e nós recebemos com respeito e humildade a voz do povo. Quero aqui cumprimentar a candidata eleita Dilma Rousseff (PT) e desejar que ela faça bem para o nosso país.

Mccain:

My friends, we have — we have come to the end of a long journey. The American people have spoken, and they have spoken clearly.

A little while ago, I had the honor of calling Senator Barack Obama to congratulate him.

Quer dizer, não começaram igualmente não. Mccain diz que teve a honra de ligar a Obama para congratulá-lo. Serra não faz menção à ligação, e apenas parabeniza Dilma.

A partir daí, as diferenças entre os discursos é grande. Contrastando com o discuso do MacCain, Serra claramente ainda parece estar em campanha, como que não aceitando a derrota.

Diz Serra:

Quis o povo que não fosse agora. (…)

A maior vitória que nós conquistamos nessa campanha não foi mérito meu, mas foi de vocês [imprensa]. Nesses meses duríssimos, onde enfrentamos forças terríveis, vocês alcançaram uma vitória estratégica no Brasil. Cavaram uma grande trincheira, construíram uma fortaleza, consolidaram um campo político de defesa da liberdade e da democracia do Brasil.

Para os que nos imaginam derrotados, eu quero dizer: nós apenas estamos começando uma luta de verdade. Nós vamos dar a nossa contribuição ao país, em defesa da pátria, da liberdade, da democracia, do direito que todos têm de falar e de serem ouvidos. Vamos dar a nossa contribuição como partidos, como parlamentares, como governadores. Essa será a nossa luta

Diz MacCain:

In a contest as long and difficult as this campaign has been, his success alone commands my respect for his ability and perseverance. But that he managed to do so by inspiring the hopes of so many millions of Americans who had once wrongly believed that they had little at stake or little influence in the election of an American president is something I deeply admire and commend him for achieving. (…)

Sen. Obama and I have had and argued our differences, and he has prevailed. No doubt many of those differences remain.

These are difficult times for our country. And I pledge to him tonight to do all in my power to help him lead us through the many challenges we face.

I urge all Americans who supported me to join me in not just congratulating him, but offering our next president our good will and earnest effort to find ways to come together to find the necessary compromises to bridge our differences and help restore our prosperity, defend our security in a dangerous world, and leave our children and grandchildren a stronger, better country than we inherited.

Whatever our differences, we are fellow Americans. And please believe me when I say no association has ever meant more to me than that.

Diferente também é o sentimento após a Derrota. Diz Serra:

Quero agradecer também aos milhões de militantes que lutaram nas ruas e na internet por um Brasil soberano, democrático e que seja propriedade do seu povo. (…)

… Um companheiro de muitas jornadas, Geraldo Alckmin. Ele se empenhou na minha eleição, mais do que se empenhou na dele.

Nenhum comentário ao vice, Índio, nenhum comentário de agradecimento à família, que esteve envolvida em vários momentos da campanhas, de forma muitas vezes negativas.

Já McCain:

I am so deeply grateful to all of you for the great honor of your support and for all you have done for me. I wish the outcome had been different, my friends.

The road was a difficult one from the outset, but your support and friendship never wavered. I cannot adequately express how deeply indebted I am to you.

I’m especially grateful to my wife, Cindy, my children, my dear mother and all my family, and to the many old and dear friends who have stood by my side through the many ups and downs of this long campaign.

I have always been a fortunate man, and never more so for the love and encouragement you have given me.

You know, campaigns are often harder on a candidate’s family than on the candidate, and that’s been true in this campaign.

All I can offer in compensation is my love and gratitude and the promise of more peaceful years ahead.

I am also — I am also, of course, very thankful to Governor Sarah Palin, one of the best campaigners I’ve ever seen, and an impressive new voice in our party for reform and the principles that have always been our greatest strength. her husband Todd and their five beautiful children for their tireless dedication to our cause, and the courage and grace they showed in the rough and tumble of a presidential campaign.

We can all look forward with great interest to her future service to Alaska, the Republican Party and our country. [APPLAUSE]

To all my campaign comrades, from Rick Davis and Steve Schmidt and Mark Salter, to every last volunteer who fought so hard and valiantly, month after month, in what at times seemed to be the most challenged campaign in modern times, thank you so much. A lost election will never mean more to me than the privilege of your faith and friendship.

McCain agradece, como se vê, aos eleitores, militantes, amigos, à vice, Sarah Palin,  à família dele, à família da Palin.

O discursso de Serra foi curto. McCain disse ainda:

This campaign was and will remain the great honor of my life, and my heart is filled with nothing but gratitude for the experience and to the American people for giving me a fair hearing before deciding that Sen. Obama and my old friend Sen. Joe Biden should have the honor of leading us for the next four years.

I would not — I would not be an American worthy of the name should I regret a fate that has allowed me the extraordinary privilege of serving this country for a half a century.

Today, I was a candidate for the highest office in the country I love so much. And tonight, I remain her servant. That is blessing enough for anyone, and I thank the people of Arizona for it.

Tonight — tonight, more than any night, I hold in my heart nothing but love for this country and for all its citizens, whether they supported me or Se. Obama — whether they supported me or Sen. Obama.

Como se vê, após a comparação, fica clara a elegância de McCain, seu reconhecimento de que o momento é de oferecer ajuda ao país. O conforto que procura dar a quem o apoiou e lutou por sua campanha. E olhe que os EUA, em que pese a crise porque passavam, são um país rico. Aqui, somo um país ainda em desenvolvimento. Se lá toda ajuda é bem-vinda, aqui é mais que bem-vinda.

Tudo bem pesado, minha impressão é que o discurso do Serra mostra pouco despreendimento, é excessivamente auto-centrado nele, procura dividir o país, como se ainda em campanha, não demonstra respeito pelos que votaram por Dilma (ele diz: “Quero agradecer também aos milhões de militantes que lutaram nas ruas e na internet por um Brasil soberano, democrático e que seja propriedade do seu povo”) e não assume culpa por erros da campanha, eximindo os demais, o que seria magnânimo da parte dele (o McCain disse: “We fought — we fought as hard as we could. And though we feel short, the failure is mine, not yours”).

Serra, assim, em seu discurso final de campanha, procurou dividir o país e deixou sua própria visão da campanha se expressar como a realidade dos fatos, acreditando que era a hora de falar em ter enfrentado “forças terríveis”. Um discurso mesquinho para quem almejava ser Presidente do Brasil e servir ao nosso país. Não buscou confortar os correligionários na derrota, preferindo falar em vitória. Se algo de bom se salva no discurso, é que o estilo não achei ruim não, embora menos eloquente que o de McCain.

ps.: Assim que der faço a análise do Discurso de Dilma. O problema é que os discursos são mais longos.

ps.2: Se quiserem mais base para comparação, leim o discurso do Kerry após perder pro Bush, e o do próprio Gore, que roi roubado na eleição.

Sobre Manoel Galdino

Corinthiano, Bayesiano e Doutor em ciência Política pela USP.
Esse post foi publicado em Manoel Galdino, Política e Economia e marcado , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

3 respostas para Discurso de derrota do Serra – análise

  1. Diego Viana disse:

    Fantástico, Maceió! Não resta dúvidas quanto à diferença de níver…

    Ei, que tal migrar pro OPS?

  2. Dawran Numida disse:

    Manoel, difícil dizer, por óbvio. Mas se ocorresse o contrário, como seria? Só por mera curiosidade.

  3. Dawran, realmente não consigo imaginar como seria. Seria bom ver o discurso do Lula quando ele perdeu.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s