Carancho

Até a metade do filme, Carancho concorria com “Whatever works”, de Woody Allen, para mim melhor filme de 2010 ao qual assisti. Infelizmente, Carancho degringola (como também acontece com Whatever works) do meio pro final e termina sendo apenas um bom filme. Melhor do que a média, mas podia ser melhor.

Ricardo Darín está muito bem no papel de um advogado abutre (carancho) que busca vítimas de acidentes de trânsitos para aplicar golpes nela e receber o dinheiro do seguro. Mostrando a máfia envolvendo policiais, hospitais e advogados o filme mostra bem o que é o subdesenvolvimento (não é ausência de desenvolvimento, mas uma relação complicada com o desenvolvido) latino-americano.

Os traços argentinos dos personagens também estão lá, em todo o drama característico daquele país. O romance entre Sosa (Darín) e Luján ( Martina Guzman) é belíssimo na primeira metade do filme, mas o desenrolar do meio pro fim tem algumas falhas e carece de verossimilhança. O vício de Luján é mal explicado e funciona como muleta para transformá-na numa mulher cativante ainda que frágil em uma mulher histérica. O final é demasiado melodramático e algo previsível, ainda que pelo menos não seja o lugar comum holywoodiano. Além disso, há algumas falhas no script que deixam algumas cenas mal-explicadas (quem seria amigo de Darín a ponto de topar dirigir o veículo no final?).

Tudo bem pesado, carancho é um filme com altos e baixos, com boa direção, atuação e diálogos interessantes, especialmente para os latino-americanos. Há algumas boas cenas realmente maravilhosas, além de uma música bem escolhida e que entra sempre no momento certo. Melhor do que 95% dos filmes holywoodianos e no mesmo nível dos 4,5% restantes (por exemplo A rede Social). Recomendadíssimo, portanto.

ps.: Achei as duas cenas de sexo muito boas, e seriam perfeitamente realistas não fosse, na primeira cena de sexo, o sono demasiado apressado da protagonista. Era perfeitamente possível ter um plot que viabilizasse um sono menos apressado.

Sobre Manoel Galdino

Corinthiano, Bayesiano e Doutor em ciência Política pela USP.
Esse post foi publicado em Arte e Cultura e marcado , , , , , . Guardar link permanente.

2 respostas para Carancho

  1. Nelson Rassier disse:

    Acho importante que fosse divulgado o intérprete do bolero “Nuestro Juramento”, parte da trilha sonora.Gracias.

  2. Marilia Vieira - Caxias do Sul/RS disse:

    Caro Nelson:
    O bolero “Nuestro Juramento”é interpretado, no filme Carancho, pelo cantor equatoriano Julio Jaramillo. Um abraço.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s