Capitu

Reli esses dias quase o livro inteiro de Dom Casmurro, entre um ônibus e outro. Só não reli por completo porque parei de pegar ônibus. Lembrei disso agora porque no meu google reader, a próposito desse texto, eu comentei que as mulheres são todas umas Capitus, muito mais mulheres que nós homens somos homens.

A situação da Capitu há tempos me fascina, especialmente quando a gente compara com duas outras mulheres: Penélope, da Odisséia, e Sherazade, das mil e uma noites. São todas personagens importantes em livros cujo persnoagem principal é o homem (Ulisses/Odisseu, o Sultão e Bentinho).  Em todas as três história, está em questão para elas o fingimento e a arte de enganar o homem. Penélope precisa enganar seus pretendentes até que Ulisses retorne. Shrezade precisa contar histórias para não ser decapitada noite após noite. E capitu, bem… capitu não precisa fazer nada, mas supostamente engana Bentinho com Escobar.

O fato é que na história de Ulisses a astúcia de Penélope para engabelar os pretendentes é bem vista aos olhos de todos. Salva-se assim o casamento deles. Sherazade pode enganar o Sultão pois, no ocidente, o sultão é essa figura mesma do arbitrário e não-racional, do capricho, e a enganação de Sherazade é muito bem vista no ocidente.

Já Capitu, coitada, é oblíqua e dissimulada. Quando fingia para os seus pais não saberem dela e Bentinho, isso é a prova apenas de que a Capitu da Matacavalos é a mesma Capitu já casada.

O que esses textos clássicos mostram é que a mulher pode e deve enganar, mas apenas de um determinado ponto de vista. Fora desse ponto de vista, a astúcia se torna dissimulação, malícia. Nesse sentido, a dissimulação de Capitu só é ofensa a patir do Machismo predominante em nossa sociedade. Num mundo mais igualitário, ela seria misteriosa, complexa e cativante. Mulher que eu gosto mesmo tem que ser assim Capitu. E quem tiver medo de mulher assim que vá procurar uma submissa…

ps.: Eu, junto com uns amigos, compus uma música justamente sobre esse tema. Se eu conseguir uma versão dela eu coloco aqui.

pstu: Eu só compus letra… melodia não é minha praia não…

Sobre Manoel Galdino

Corinthiano, Bayesiano e Doutor em ciência Política pela USP.
Esse post foi publicado em literatura, Manoel Galdino e marcado , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s