Hitchens

O Christopher Hitchens faleceu dia 15 e muito está sendo escrito sobre ele. Eu tenho pouco a dizer, tendo lido apenas seu livro de memórias. Mas gostaria de constratar os textos publicados no Amálgama (grosso modo, bastante elogiosos do Hitchens) com esse aqui (via the Crooked Timber), da Katha Pollitt.

Minha impressão é que a Katha Pollitt está mais próxima da verdade, se é que verdade é um termoadequado aqui. Eis um trecho do texto dela:

That was the bad side of Christopher—the moral bully and black-and-white thinker posing as daring truth-teller. (…) Some eulogists have praised him for moral consistency, but I don’t see that: he wrote tens of thousands of words attacking Clinton for executing Ricky Ray Rector, but seemed untroubled about George W Bush’s execution of 152 people—at the time a historical record—as governor of Texas. He was so fuelled by his own certainty he claimed that the failure to find weapons of mass destruction in Iraq only proved they were there.

 

Sobre Manoel Galdino

Corinthiano, Bayesiano e Doutor em ciência Política pela USP.
Esse post foi publicado em Manoel Galdino, Política e Economia e marcado , , , . Guardar link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s