Tortura

Depois de ler um tuíte falando que a Dilma foi terrorista, lembrei desse texto do NPTO, que destaco aqui umas partes. E vi também que o Videla, ditador argentino, morreu hoje. E aí, também via twitter, o@arielpalacios trouxe vários tuítes de como eram as torturas na argentina. Copio-os aqui. Mas alerto, é muito forte. Não leia se não quiser ficar deprimido. Mas não podemos jamais esquecer.

– Picana elétrica: criada nos anos 30 na Argentina por Leopoldo Lugones Hijo, filho do escritor Leopoldo Lugones.

Era o instrumento para assustar o gado com choques elétricos. Aplicado a seres humanos, tornou-se no instrumento preferido de tortura

Submarino molhado: afundar a cabeça de uma pessoa em uma tina d’água. Ocasionalmente a tina também estava cheia de excrementos humanos

Submarino seco: colocar a cabeça de uma pessoa dentro de um saco de plástico e esperar que ela ficasse quase asfixiada.

O rato no cólon: colocação de um rato, faminto, no cólon de um homem. Nas mulheres, o rato era colocado na vagina.

Uma das mais temidas era o “saca-rolhas”, que consistia na introdução de um aparelho pela via anal…que ao ser puxado para fora, arrastava junto as vísceras.

Teresa, uma das prisioneiras que morreu na Esma era violada cada vez que ia ao banheiro.

“Se ela ia uma vez, a estupravam nessa ocasião. Mas, se, horas depois, ia de novo, era novamente violada. Todas as vezes que ia ao banheiro, era impreterivelmente estuprada. Todas”, relata Enrique Fuckman, ex-detido das masmorras da Esma

As mulheres, ocasionalmente recebiam a opção de serem estupradas ou de serem eletrocutadas na parte interna da vagina e ânus.

Agora, trecho do texto do NPTO.

quantas democracias ocidentais estavam dispostas a dar armas para quem quisesse combater a ditadura no Brasil? Foda-se o regime que você defende aí pra sua casa, ou na sua tese de doutorado, se você defender o pior regime para o meu país. Quem dava armas para a luta brasileira era Cuba, Argélia, enfim, regimes de esquerda. Era difícil não ter simpatia por essas coisas, em especial porque o MDB só começou a ficar interessante nos anos 70.

Um bom reflexo disso hoje em dia é o pessoal de esquerda que fica chamando todos os dissidentes de Cuba de agentes da CIA. Digamos que sejam (o que, obviamente, não são, ao menos todos): vocês queriam que eles fizesse o que? Se impressionassem com o imenso apoio que todo dia damos aos caras nas publicações e blogs de esquerda, e reconhecessem (lá da cadeia) que as políticas sociais do regime até que são boas? Não é mais natural que simpatizem com os EUA, que denunciam a ditadura que os governa? E não adianta dizer que os EUA fazem isso por interesse, porque a URSS também não dava ponto sem nó.

Além do mais, quem havia produzido o argumento definitivo contra a esquerda democrática brasileira foram os golpistas de 64. Jango era um péssimo presidente, mas levantou algumas bandeiras caras à esquerda, e as mesmas forças que haviam tentado derrubar todos os presidentes do período democrático, não importa o quão moderadas fossem, meteram os tanques no palácio. A mensagem principal do movimento de 64 era que o Brasil até poderia ter democracia, mas não era para a esquerda se entusiasmar com ela: se algo progressista pintasse na área, ia para o porão com o Fleury.

Sobre Manoel Galdino

Corinthiano, Bayesiano e Doutor em ciência Política pela USP.
Esse post foi publicado em Manoel Galdino, Política e Economia e marcado , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s