A propósito da Lava-Jato e a corrupção no Brasil

Muitos me perguntam o que acho da condução coercitiva do Lula, do discurso dele, da lava-jato… E, no entanto, creio que essas são as perguntas erradas. Um pouco na linha do último texto do Fernando Henrique, a pergunta mais importante, para quem quer melhorar o Brasil, é: quais mudanças institucionais podemos fazer para evitar que a corrupção continue no nível atual?

Para além do enriquecimento ilícito de muitos, parece que há uma conexão grande com os gastos de campanha no Brasil, que mesmo no caixa 1 são gigantescos. Na última eleição, foram gastos pelo caixa 1 pouco mais de um bilhão de reais pelo PT (todos os cargos) e pouco mais de 1 bilhão pelo PSDB. Nas eleições presidenciais, o PT gastou pouco mais de 300 milhões de reais, e o PSDB pouco mais de 200 milhões.

Se compararmos com os EUA, veremos que o Obama gastou quase 1 bilhão de dólares nos EUA em 2012. Dependendo de como se calcula o PIB do Brasil em dólar (câmbio real de hoje, da época, ou PPP), o PIB dos EUA vai ser em torno de 4 a 9 vezes o PIB do Brasil, que seria mais ou menos quanto Obama gastou a mais que Dilma.

Contudo, essa comparação “esquece” um detalhe fundamental: aqui os gastos com rádio e TV são financiados exclusivamente com dinheiro público, enquanto que nos EUA os candidatos devem pagar por cada propaganda na rádio e TV. Além disso, aqui é proibida a compra de mídia em Outdoor e na internet (facebook, google etc.). Nos EUA, os candidatos gastaram aproximadamente 50% com mídia. E mais 15% com administração (incluindo salários das equipes de campanha), 10% com a própria atividade de arrecadar fundos, 10% com correio, depois viagem (3%), pesquisas de opinião (mais 3%) e assim por diante. Os números são aproximados.

Olhando por essa perspectiva, vemos que as campanhas no Brasil são absurdamente caras. Com que nossos candidatos gastam tanto dinheiro, e ainda precisam de muito caixa 2?

*******************

Quando eu morava em Alagoas, vi em primeira mão como se faziam eleições por lá. Um candidato a deputado federal que gostaria de ter votos na cidade X precisava do apoio de líderes políticos locais da cidade para fazer campanha para ele e levar seus votos para o candidato. E o apoio vinha mediante dinheiro. Naquela época (isto é, nos anos 90), o apoio de um vereador dos mais votados que teve por volta de mil votos na eleição dele custava pouco menos de 100 mil reais. Com esses 100 mil reais, o vereador deveria comprar o apoio dos cabos eleitorais, financiar alguma estrutura local (combustível para os cabos eleitorais etc.), mas duvido que incluísse o material de campanha propriamente dito (santinhos, panfletos etc.).

Eu não sei quanto a coisa mudou de lá pra cá, mas chutaria que muito pouco. Então, minha hipótese é que campanhas eleitorais no Brasil são muito caras por que é preciso comprar o apoio político de toda a cadeia de políticos, até o cabo eleitoral. Ou melhor, até o eleitor, que irá receber uns trocados pelo seu voto. Antigamente recebia camisas, bonés e afins, mas hoje isso está proibido.

Outra consequência desse sistema é que, a menos que se registre os apoios como contratação de funcionários via CLT, terá de ser feito muita coisa via caixa 2. E se o dinheiro é ilegal, e a empresa que doa está fazendo uma ilegalidade, para se acordar o desvio de verba capaz de pagar isso tudo e ainda gerar um lucro para os envolvidos é um pulo.

##########

Se minha teoria para o gasto exorbitante no Brasil está correta, a primeira pergunta que me vem à cabeça é: nos outros países também se compra apoio assim? De verdade eu não sei, mas desconfio que não. E se não ocorrer assim, porque no Brasil é diferente?

E é aqui que entramos nos nossos problemas institucionais. Eleições são um troço difícil para o eleitor. Não somente ele tem que saber de macroeconomia, ele deve ponderar as propostas dos candidatos em várias áreas diferentes, as probabilidades de darem certo e quanto elas vão beneficiá-lo ou o país. Ou seja, é impossível mesmo para um gênio. Simplesmente não dá para fazer uma escolha consciente.

Nós poderíamos fazer como nos outros países, e utilizar os partidos como atalhos informacionais para orientar nossas escolhas. É um pouco como fazemos na hora de escolher entre trabalhar no setor público ou na empresa privada. A gente tem uns estereótipos de cada trabalho, um pouco de informação sobre o que acontece com cada escolha, nossas preferências, e daí escolhemos um caminho ou outro. Mas poucas pessoas vão fazer planilhas, calcular custos, benefícios e probabilidades para tomar decisões.

Mas isso só funciona com partidos se eles forem poucos, tiverem uma identidade mais ou menos definida (ainda que baseada em estereótipos) e as pessoas organizarem suas preferências nesses estereótipos. O que dificilmente é o caso no Brasil, especialmente para eleições proporcionais, e mesmo nas majoritárias em que o conflito PT-PSDB não seja dominante. No nosso sistema político, eleitores têm muita dificuldade de escolher seu voto.

Veja o meu caso. Sou doutor em ciência política, acompanho a política brasileira desde a adolescência, e ainda assim, toda eleição, tenho dificuldade de escolher o vereador, deputado estadual e e o segundo senador. Acabo indo por indicação de amigos. Que no fundo são cabos eleitorais.

Então, o que estou sugerindo aqui é que o nosso sistema partidário fragmentado, com partidos fracos e incapazes de se distinguirem claramente um do outro, induzem a campanhas eleitorais extremamente caras e que requerem caixa 2.

Mas como a gente aprende na economia, não se trata apenas de demanda por corrupção induzida pelo sistema, é preciso olhar para a oferta. No caso, a oferta de políticos corruptos. Imaginemos dois políticos, um honesto e outro corrupto que busca a política apenas para enriquecimento pessoal. Se para ser eleito é preciso acesso a recursos não contabilizados, o corrupto é mais eficiente em captar esse dinheiro do que o inocente. Contatos com empresários corruptos, contatos com burocratas corruptos e know-how em como roubar são habilidades úteis no nosso sistema político. Em outras palavras, nosso sistema político tenderá a recrutar corruptos e promovê-los no interior da esfera partidária. Não é apenas pelos conhecimentos jurídicos e manobras regimentais que Cunha chegou aonde chegou. As denúncias contra ele apontam para uma rede de corrupção gigantesca, e são várias as histórias de deputados eleitos com dinheiro do Cunha.

Em resumo, nosso sistema induz os políticos a serem corruptos, e promove os corruptos, justamente porque o sucesso na carreira política depende, entre outras coisas, da habilidade de manejar a corrupção de forma eficiente (isto é, eficiente no roubo e em esconder a fonte de roubo).

Se isso for verdade, então, mais do que gastar nosso tempo discutindo se o PT é do mal ou não, se eles se desvirtuaram do caminho do bem, mas o próximo que chegar será melhor, é reformar o sistema político brasileiro para que esse equilíbrio mude.

É claro que minha narrativa tem muitos “ses” e a história pode se outra bem diferente, ou apenas um pouco diferente. Mas a lição importante mesmo é que, uma vez que tivermos um bom diagnóstico do nosso sistema político, veremos que ele gera um equilíbrio em que a corrupção faz parte do sistema. E para mudar isso precisamos mudar o sistema político.

Eu tenho algumas ideias que, acho, ajudariam a melhorar o sistema sem precisar fazer reformar radicais, mas deixo isso para outro dia. Por enquanto, queria enfatizar o que disse no começo. A pergunta certa não é sobre o Lula, mas sobre quais reformas institucionais vão gerar um equilíbrio em que há uma tendência a ter menos corrupção. Ela não irá acabar. Mas poderá se bem menor.

 

 

Sobre Manoel Galdino

Corinthiano, Bayesiano e Doutor em ciência Política pela USP.
Esse post foi publicado em Política e Economia e marcado , , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

3 respostas para A propósito da Lava-Jato e a corrupção no Brasil

  1. Rafael disse:

    Engraçado que sua explicação se apoia ao mesmo tempo em defeitos institucionais e na fraqueza dos partidos. Nossos institucionalistas (e eu sei que você respeita vários deles) contam a história de partidos fortes e de instituições funcionando.

    Tenho muita curiosidade de ouvir os papas comentarem os acontecimentos do último ano à luz da narrativa vigente na CP brasileira, mas só tenho visto esses caras fazendo comentário de conjuntura. Vc leu alguém revendo a tese de partidos fortes e instituições que funcionam?

  2. Mas acho que os partidos são reconhecidamente fracos na arena eleitoral, mas fortes na arena legislativa, e que a força no legislativo gerava estabilidade do sistema. Eu não discuti aqui a fragmentação partidária gerando problemas de estabailidade nas relações executivo-legislativo, então não sei se tem tanta discordância aqui.

  3. Gabriel Cepaluni disse:

    Muito bom o post. Sua interpretação soa bem plausível. Creio que também a corrupção advém de um grande setor público construído em um ambiente institucional pouco transparente. Mais dinheiro, mais chance de roubar.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s