Arquivo da categoria: poesia

An attempt

On the streets of São Paulo Seeing the dust fading away On the beds of others On the hands of friends Causing sorrow to them The clock is moving around We can’t hear the sound Misplaced words in your mouth … Continuar lendo

Publicado em Arte e Cultura, english, Manoel Galdino, orquídeas selvagens, poesia | Marcado com , | Deixe um comentário

Crap

Em Teresina, vento frio e pálido Tremelique, pileque, pastiche Silêncio, gritava Antônio, calado Condenado, murmurava cabisbaixa Alice A que deu o azo? shhhhhhhhh shhhhhhhhhh … … … … … Mais um minuto de silêncio Cores, cores, mil cores Quem ousa … Continuar lendo

Publicado em Arte e Cultura, Manoel Galdino, orquídeas selvagens, poesia | Marcado com , , , | Deixe um comentário

Um poema e uma lista de filmes

Um mini poema e uma lista de filmes – que de besta só tem a chamada, falando de diamantes pro Cérebro (?). A lista. O poeminha We’re afraid Our deepest fear Of the loneliness said There’s no dear We only … Continuar lendo

Publicado em Arte e Cultura, english, orquídeas selvagens, poesia | Marcado com , , , , | Deixe um comentário

Capitu

Clipe com cenas da série Capitu, personagem do meu livro favorito de todos os tempos, do meu autor favorito também. Dom Casmurro, de Machado de Assis. Eis um livro que não me canso de reler.  

Publicado em literatura, Manoel Galdino, orquídeas selvagens, poesia | Marcado com , , , , | 1 Comentário

O Caminho Não Escolhido

Um amigo, André, foi quem me apresentou ao poema clássico do Robert Frost, The Road Not Taken. É uma poema que está inclusive no filme Sociedade dos Poetas Mortos. Eu particularmente sempre procurei tê-lo em mente em minhas decisões importantes. … Continuar lendo

Publicado em Arte e Cultura, Manoel Galdino, orquídeas selvagens, poesia | Marcado com , , , , , | Deixe um comentário

Direito de Amar

Acabei de assistir ao filme Direito de Amar (A single Man), do diretor Tom Ford, com Collin Firth no papel principal. O filme é belíssimo, com certeza o melhor filme que vi no ano (o filme é de 2009). (Spoiler … Continuar lendo

Publicado em Arte e Cultura, Manoel Galdino, poesia | Marcado com , , , | 1 Comentário

Fraseologia

Lá no face eu prometi que ia parar de compartilhar frases, o que é em geral algo bem idiota de se fazer, mas é também a necessidade que temos de compartilhar nossos sentimentos, por mais idiotas que sejam – e … Continuar lendo

Publicado em Manoel Galdino, orquídeas selvagens, poesia | Marcado com , , , | 3 Comentários

Suspicious Minds e Paulo Leminski

Quando pedi uma sugestão de uma música do Elvis, uma amiga que está de partida para Curitiba me sugeriu Suspicious Minds. Nesse domingo frio em São Paulo, parece-meu adequado. E Paulo Leminski também: Um dia vai ser Pelos caminhos que … Continuar lendo

Publicado em Arte e Cultura, orquídeas selvagens, poesia | Marcado com , , , , , , , | Deixe um comentário

Belíssimo texto sobre Riquelme

No Facebook eu registrei: “Chupa Riquelme”. Mas o texto abaixo me redime. Elegantíssimo e belíssimo. Fiquei emocionado lendo o texto. Quando eu leio textos assim, quero que todas aquelas pessoas que eu gosto leiam o texto. Eu sei que nem … Continuar lendo

Publicado em literatura, orquídeas selvagens, poesia | Marcado com , , , , , , | Deixe um comentário

Red Plenty

Terminei de ler o livro Red Plenty, que tinha comentado rapidamente aqui. Eu gostei bastante to livro, embora o tema do livro naturalmente se adeque aos meus gostos (um livro sobre a União Soviética e a tentativa de economistas matemáticos … Continuar lendo

Publicado em literatura, orquídeas selvagens, poesia, Política e Economia | Marcado com , , , , | 1 Comentário