Chill the fuck out

Eu já postei aqui antes sobre o good enough, mas ficou no meio de outras tantas coisas que acho que as pessoas não apreciaram a importância dessa visão. Reposto então as palavras de Timothy Burke sobre o tema. A quem se interessar pelo tema, recomendo os comentários vivamente. Eles problematizam a opção pelo good enough muito bem, especialmente a réplica de Jeff Smith e a tréplica de Burke. Still… Mas enough de preliminares, leiam a coisa toda.

Hang on. Let’s try again. Here’s what I want and I think maybe a lot of people, both Americans and otherwise, want. I want what my colleagues Barry Schwartz and Ken Sharpe call “good enough”. I don’t want to grab for the brass ring, be the alpha male, see my name in lights, have the penthouse apartment on the East Side. I don’t want to write out a lengthy policy manifesto on what American foreign policy towards 21st Century African states should be and then spend the next ten years taking meetings and writing op-eds to push my plan. I just want to do a good job as a teacher and a colleague and a father and a husband and a person. I want to earn a good living and enjoy what pleasures come my way without scheming every day for a better living and pleasures I can never have on what I earn now.

I don’t want to care very much about whether one particular implementation of TARP or another is better. I don’t want to insist that my kid’s teachers and school need to follow my exact pedagogical preferences. I don’t want to bring a court case because this one time somebody had my kid be part of a moment of silence before a fifth-grade class. I don’t want to regard myself as endlessly called upon to personally participate in the righting of every wrong I can see, understand or know about. I want to flip Marx around and get to the point where most of the time, the point of thinking and talking and writing is not to change the world but just interpret it and enjoy the interpretations of others.

Flip it. I don’t want anybody telling me what the fuck to do in my house. I don’t want my kid’s pediatrician who I otherwise like to quote me media effects research that I know a great deal about and regard with skepticism and make my daughter recite the appropriate catechism in order to get out of the annual exam without a lecture. I don’t want the guy down the street and his co-religionists to start relentlessly lobbying the school board to remove references to evolution from high school biology class. I want fellow professionals who push constantly for ever-more insane levels of meritocratic pressure to be structurally and culturally inflicted on our kids (or on my students at Swarthmore) to just cool it in public, if they have to be tiger moms and dads, to keep that as private as they would if their sex lives involved razor play and urinating on each other. I want to accept and marvel at human resiliency rather than build an endless managerial and supervisory apparatus for preemptively protecting every potentially vulnerable person from every potential kind of trespass or offense. I want rules and strictures to be a last resort rather than a leading preference.

In short, my political aspirations at this point could be summed up pretty well by Jon Stewart’s plea to just chill the fuck out, America, take the temperature down. Do reasonable things. Appreciate the genuinely tough questions in life and politics for what they are, and appreciate the different answers that people come up with to those questions. I think there is, if not a “moral majority”, a decent majority, a mellowable majority, who pretty much also just want life to be good enough.

A politics of “good enough” is not Obama’s politics. I don’t think there’s been a President in my life who more thoroughly represented a relentlessly meritocratic ethos and social constituency. He might be able to handle the chill out part, though, which the Republican Party and their loyalists absolutely and viscerally reject. But “good enough” and “chill out” are not particularly a big part of the discursive culture of online discussion either, and not particularly a common sentiment in the sociocultural world of professionals, academic or otherwise. So it is not just our leaders who would need to represent a mellower and more mature majority, but at least some of us who would need to tweak habits and practices, spend less time vigilantly patrolling the walls of our sometimes vanishingly small redoubts and more time hosting an open house.

There will still be plenty of unacceptable shit to be outraged by, plenty of things to care passionately about, plenty of good work for good people to undertake as well as plenty of barricades which must at all costs be manned.

Publicado em english, Manoel Galdino, Política e Economia | Marcado com , , | Deixe um comentário

An attempt

On the streets of São Paulo
Seeing the dust fading away
On the beds of others
On the hands of friends
Causing sorrow to them

The clock is moving around
We can’t hear the sound
Misplaced words in your mouth
Peace of mind far away
During the night, falling apart
It’s hard not to confuse noise with signal

Judgemental, not sentimental
It’s been you for a while
Silver lining, that’s what I need
I only want you and me, indeed
All of us, to shine
No envy, but joyfullness

Don’t play the horse move
Fly straight as a dove
Out of the monkey cage
There will be no gag and rage
Baby,
Listen the rain
And what the wind brings
It blows from the northeast
And you know what it means

Publicado em Arte e Cultura, english, Manoel Galdino, orquídeas selvagens, poesia | Marcado com , | Deixe um comentário

Sentences to ponder

Look, the current system is filled with bright, capable people and produces good work at all levels. But the incentives for learning are seriously messed up. Consider failure, for example. Failure is an important part of the learning process, but students have no real opportunity to fail in a constructive way without potentially substantial consequences. Homework should be a mechanism for meaningful practice with the ideas in a course, but you’re caught between two hard places. Put too much weight on it, and it becomes more important to students to finish it correctly than to understand it. Put too little weight on it, and the other demands on a student’s time dominate practice.

by Christopher Genovese, at his personal site (in 2006?).

Publicado em english, Manoel Galdino | Marcado com , , | 1 comentário

Minha vida pelas tirinhas do xkcd

Gente, acho que minha vida pode ser resumida pelas tirinhas do Xkcd. Quem sou, o que espero da vida, meu passado. Imaginem as tirinhas como um filme, embora não necessariamente linear.

Aqui eu sou a menina…

Publicado em english, internet, orquídeas selvagens | Marcado com , , , , | Deixe um comentário

Synonyms for the 96 most commonly used words in English

Manoel Galdino:

Pra quem está aprendendo inglês, lista de 96 palavras mais frequentes e seus sinônimos. ps.: “Crooked” continuo sem entender direito, e “Eager” tinha uma ideia vaga.

Publicado originalmente em Just English:

Amazing incredible, unbelievable, improbable, fabulous, wonderful, fantastic, astonishing, astounding, extraordinary

Anger enrage, infuriate, arouse, nettle, exasperate, inflame, madden

Angry mad, furious, enraged, excited, wrathful, indignant, exasperated, aroused, inflamed

Ver original 1.561 mais palavras

Publicado em Arte e Cultura, Manoel Galdino | Marcado com , , , | 2 Comentários

O que se pode aprender em comentários de blogs de estatística

O Gelman fez dois posts interessantes no blog dele, e os comentários foram, se me permitem, melhores ainda. Começo pelo post em que o Gelman discute sobre fazer uma regressão polinomial (y = a + b1*x + b2*x^2) para testar a hipótese de que o efeito de colocar jogadores talentosos num time de basquete é em formato de U invertido (quanto mais talento melhor, até o ponto em que talento demais atrapalha).

O Daniel Lakeland, então, numa série de comentários, vai defender o modelo polinomial. Primeiro ele argumenta que se restringirmos a análise ao conjunto de times mais talentosos, o formato em U invertido pode aparecer nos dados. A plotagem e modelagem podem sugerir esse caminho. E ele faz um rápido comentário sobre usar expansão de Taylor para justificar essa opção da polinomial.

Após o Gelman fazer uma réplica, ele vai expandir seu comentário sobre a expansão de Taylor. O que eu acho fantástico no comentário do Lakeland é que ele mostra o melhor da forma de pensar de quem é físico. Ele vai construir um modelo formal* (mas sem essas baboseiras de ter que ser microfundamentado) para justificar a modelagem estatística. A vantagem dessa abordagem é que os pressupostos do modelo ficam bem explícitos e, do ponto de vista aplicado, o que tem que ser testado para saber se as aproximações são razoáveis ou não.

**********

O outro comenário do Lakeland foi uma jóia a partir de outro post do Gelman, sobre posterior predictive checks. A parte bacana começa com um comentário do Bob Carpenter sobre a diferença entre machine learners e estatísticos. Machine learners acreditam em separar dados em amostra de treinamento e amostra de teste, e não usar os dados de teste no processo de estimação. No máximo, com cross-validação. Eu mesmo sou particularmente favorável à abordagem dos machine learners, exceto pelo fato de que também sou simpático ao contra-argumento dos estatísticos (quero usar todos os meus dados na minha estimação. Deixar dados fora é obter estimativas piores).

Na linha dos estatísticos, o Lakeland então vai argumentar que muitas vezes nós estamos interessados em aprender sobre o valor de um parâmetro, e não em predição. Cito aqui, porque é muito bom:

On the yet-another-hand, if you are interested in the temperature distribution of the Corona of the sun, this is not an directly observable quantity, so we’re going to have to get some data (maybe spectral data or something) and then we’re going to have to fit a model to the data, and we’re not going to care even a LITTLE bit about predicting future data, we’re ONLY going to be interested in what have we learned about the parameter (Temperature and its distribution in the Corona).

a LOT of good science has this character.

O exemplo dele é no contexto da física, mas o mesmo vale, mutatis mutandis, para as ciência política por exemplo, quando estimamos pontos ideais ou os tópicos de discursos dos deputados.

Quando eu dei meu curso de R e topic models no Rio, no meio de ano, lá no IESP, eu apresentei os resultados do projeto retórica com estimação de tópicos mais enfatizados pelos deputados no pequeno expediente da Câmara dos Deputados Federais. E fui questionado justamente sobre qual o interesse nesse tipo de análise. Se não faltava explicar o conteúdo e tal. Eu acho super importante explicar o conteúdo, mas de verdade eu acho importante em si mesmo aprender sobre o parâmetro em questão, qual seja, quais os temas sobre os quais os deputados falam. Como diz Lakeland, a lot of good science has this character.

ps.: Eu não estou dizendo que o trabalho que fizemos é “good science”. Deixo essa avaliação para os outros. Mas o fato de ser um trabalho puramente descritivo não desvaloriza em nada o trabalho. Essa é a características de muitos bons trabalhos.

* o modelo não é de todo formal porque é um comentário de blog, mas dá para ver que uma análise séria extrairia um modelo formal fácil dali.

Publicado em estatística | Marcado com , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

A propósito de um filme já antigo do Kar Wai

Tem um filme do Kar Wai, chamado Hands (mãos), que faz parte de três históricas curtas de um filme chamado Eros. As outras duas histórias são do Sorderbergh e do Antonioni.

Nesse filme, a história se concentra em torno de dois personagens Zhang, um alfaiate iniciante, e Miss Hua, uma prostituta de luxo no auge de sua beleza.

A coisa que sempre me atraiu nesse filme é como o erotismo pode ser apresentado no seu mais alto grau, e no entanto é totalmente diferente do que estamos acostumados. Num filme padrão de hollywood, por exemplo, tudo se passa em torno do tesão sexual crescente, que pede um desenlace sexual meio que mecânico dos corpos.

No filme do Kar Wai, é o não dito, o toque de uma mão, o tecido de uma roupa que traz todo o erotismo à tela e cativa o telespectador.

Há uma cena maravilhosa, em que Zhang, o alfaiate, está com as roupas que ele fez para Miss Hua. O vestido está em cima da mesa, mas nele não há o corpo de Miss Hua, apenas o vazio. Ele então toca o vestido com as mãos, e vagarosamente enfia a mão por dentro do vestido, como se passeasse pelo corpo de Miss Hua. Ele se excita e todo clima erótico vem à cena. É a alusão, o que não está ali, mas aquilo a que o vestido remete que traz a carga de sensualidade. É o tato que será o poderoso afrodisíaco da imaginação, e não a visão, esse lugar comum do poder imaginativo da mente.

É claro que poderíamos ver aí apenas um amor platônico, mas creio que essa é uma chave errada. Se as interdições têm um papel importante, não é por negar o caráter carnal do amor deles. Mas para desviar o erótico do óbvio e levar para um outro lugar. Sendo ela uma prostituta, parece-me que não haveria outro modo de ter um lugar para o amor deles com erotismo senão fugindo da carnalidade mais óbvia e, de certo modo, nos ensinando que lá onde aparentemente não poderia haver amor e erotismo, podemos encontrá-los ambos, mas transfigurados. Talvez seja hora de achar esses outros espaços.

Publicado em Arte e Cultura, orquídeas selvagens | Marcado com , , , , , , , | 2 Comentários